Volta às aulas após quarentena: veja 10 medidas adotadas em 7 países para a retomada do ensino

No Brasil, as aulas estão suspensas em todos os estados e escolas seguem fechadas.

Alunos do ensino médio voltam à sala de aula em Wuhan, na província de Hubei, na China, nesta quarta-feira (6) AFP Após decretarem o afrouxamento do isolamento social para conter a transmissão do novo coronavírus, países que estão voltando às aulas adotam medidas de prevenção para evitar uma nova onda de contaminação.

O G1 analisou a experiência de países como China, Coreia do Sul, Dinamarca, Finlândia, França, Portugal e Israel para saber quais cuidados estão sendo tomados na volta às aulas.

No Brasil, as aulas estão suspensas em todos os estados e as escolas seguem fechadas.

Entre as medidas, estão: desinfecção de escolas tendas de desinfecção dos alunos na entrada controle de temperatura uso de máscaras lavagem de mãos e instalação de torneiras grupos menores de alunos distanciamento horários diferentes de entrada e saída arejar a sala afastar professores do grupo de risco A reabertura das escolas é um marco no fim do isolamento porque permite que os pais possam voltar ao mercado de trabalho.

As regras de confinamento impostas para conter o avanço da disseminação do novo coronavírus deixaram mais de 1,5 bilhão de crianças e adolescentes fora da escola em 188 países, segundo balanço da Unesco divulgado em abril. Redução do isolamento deverá ter distanciamento social, limpeza das mãos e uso de máscaras, dizem especialistas Agência dos EUA divulga guia para reabertura de locais de trabalho, escolas e restaurantes fechados pela pandemia do coronavírus Desinfecção de escolas 20 de maio - trabalhador desinfeta escola em Parque Ivory, na África do Sul. Siphiwe Sibeko/Reuters Medidas extras de limpeza são uma recomendação comum.

Em diversas partes do mundo, a desinfecção das escolas ocorre antes dos alunos chegarem e durante a permanência deles. Em Portugal, 17 mil litros de desinfetantes e outros equipamentos de proteção e higiene foram distribuídos para centros educacionais. Na França, as orientações do Ministério da Educação contêm inclusive quais produtos a serem utilizados para desinfecção das escolas e a frequência da higienização: o chão deve ser limpo uma vez por dia enquanto maçanetas, sanitários e interruptores devem ser higienizados várias vezes.

Tenda de desinfecção dos alunos China tem volta às aulas do ensino médio com medidas de segurança e medo do coronavírus. GREG BAKER / AFP Na China, escolas instalaram tendas de desinfecção por onde os estudantes precisam passar antes de entrarem na escola. Controle de temperatura Termômetro usado para medir a temperatura das pessoas e fazer controle da Covid-19.. Steve Parsons / Pool / AFP O controle da temperatura para detectar se o aluno está com febre, um dos mais comuns sintomas da Covid-19, é uma preocupação em vários países.

Na China e na Coreia do Sul, os estudantes passam por checagem sistemática de temperatura corporal.

Em Pequim, pulseiras inteligentes, que fazem essa medição em tempo real, estão sendo testadas.

Os pais monitoram a situação por meio de um aplicativo.

Caso a temperatura passe de 37ºC, um alerta é enviado para os professores, que são orientados a alertar a polícia.

Uso de máscara China retoma aulas do ensino médio em Pequim e Xangai nesta segunda-feira (27). GREG BAKER / AFP O uso de máscaras em geral também é recomendado, mas os critérios variam de país para país. Na China, as crianças utilizam máscaras o tempo todo, inclusive dentro da sala de aula. Coronavírus na educação: na França, professora leciona com máscara nesta segunda-feira (18). Sebastien Bozon/AFP Em Israel, as crianças da 4ª série em diante tem que usar essa proteção.

Na França, as crianças menores também estão dispensadas.

No entanto, a escola deve ter máscaras à disposição dos alunos caso eles apresentem sintomas durante as aulas e estejam aguardando para serem retirados. Uma exceção é a Dinamarca, país onde não existe a recomendação para utilização de máscaras em ambientes públicos.

Lavagem de mãos e instalação de torneiras Como lavar as mãos do jeito certo com água e sabão O incentivo à higiene e lavagem de mãos está sendo constante nas escolas que voltam às aulas.

Na Dinamarca, as escolas chegaram a instalar torneiras fora dos edifícios para que as crianças lavem as mãos quando chegam à escola. Em Portugal, é obrigatório a lavagem das mãos ao entrar e sair da escola.

Na Coreia do Sul, os estudantes receberam material desinfetante para higienizar as mãos. Grupos menores de alunos 18 de maio de 2020 - Alunos usam máscara em sala de aula no colégio D.

Pedro V, em Lisboa, no dia em que parte dos estudantes volta a ter aula em meio à pandemia do novo coronavírus (COVID-19) em Portugal Rafael Marchante/Reuters Alguns países adotaram a medida de dividir os estudantes em grupos menores para evitar contatos mais próximos entre eles, como na Finlândia.

Na Dinamarca, as turmas, que têm entre 20 e 28 alunos, foram divididas para que os alunos possam interagir apenas dentro desse espectro menor.

Distanciamento 15 de maio - Estudantes conversam enquanto praticam o distanciamento social no pátio de uma escola secundária durante sua reabertura em Bruxelas, na Bélgica, durante o surto do coronavírus (COVID-19) Yves Herman/Reuters Em geral, as salas de aula foram reorganizadas de maneira que as mesas dos alunos fiquem a pelo menos um metro de distância entre elas.

A recomendação é feita pelo governos da França, Dinamarca.

Em Israel, essa distância é de dois metros.

Na Dinamarca, além da distância de um metro entre as mesas dos alunos, o professor deve ficar a dois metros do estudante que senta mais próximo dele.

Alguns países adotam inclusive paredes acrílicas para evitar que gotículas da fala sejam trocadas entre os estudantes e entre estudantes e professores, como é o caso da Coreia do Sul. Alunos retomam aulas na Coreia do Sul; em algumas escolas, carteiras têm divisórias Yonhap / AFP Photo Para estudantes menores, mantê-los afastados é um desafio.

Uma solução lúdica, feita com asas de papelão, foi adotada na província de Shanxi, na China, para lembrá-los a distância que precisam ficar uns dos outros. Alunos do ensino fundamental usam asas para manter o distanciamento na sala de aula em Taiyuan, na província de Shanxi, no norte da China.

Foto tirada em 20 de maio de 2020 AFP Horários diferentes de entrada e saída Em Portugal, alunos estão sendo organizados em grupos que terão horários de aula, intervalos e períodos de alimentação diferentes entre si, para minimizar o contato. A mesma medida foi adotada pelos governo da Finlândia e Israel, que determinaram o estabelecimento de horários diferentes para intervalos, entrada e saída para evitar aglomeração. Na Dinamarca, além dos horários variados, novos portões estão sendo utilizados para que a entrada e saída dos grupos não coincidam.

Os pais também são orientados a se despedir dos filhos fora da escola e devem pedir permissão, caso necessitem entrar no estabelecimento.

Arejar a sala Na França, as escolas são orientadas a manter as janelas abertas antes das aulas, durante o intervalo e depois da partida dos alunos.

Afastamento de professores do grupo de risco 27 de abril - Médicos de um hospital coletam amostras de professores do ensino médio para testes em uma escola após o surto da doença por coronavírus em Yichang, província de Hubei, na China China Daily via Reuters Em Israel, professoras com mais de 65 anos não retomaram as atividades.

A medida é para evitar que eles fiquem expostos à uma possível nova onda de circulação do coronavírus. Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19 Initial plugin text
Categoria:Educação